Conecte-se conosco

Mundo

Estrela de Belém: Após 800 anos, fenômeno será visível em todo o mundo

Publicado

em

O evento aconteceu pela última vez na Idade Média (Foto: Unsplash)

Vai acontecer nesta segunda-feira (21/12), o ápice de um evento astronômico raro: o alinhamento dos planetas Júpiter e Saturno, os maiores do sistema solar. O fenômeno astronômico conhecido como “Estrela de Natal” ou “Estrela de Belém”, devem parecer um planeta duplo, ou seja, dois pontos brilhantes no céu.

Publicidade

Esse encontro entre os dois maiores planetas é considerado pelos astrônomos como uma das conjunções planetárias mais impressionantes — tanto que o evento ganha o nome de Grande Conjunção. O fenômeno ficará visível após o pôr do sol.

Os últimos registros que se tem deste fenômeno datam de 1623 e 1226 e, por isso, ele é considerado raro pelos astrônomos, já que cada planeta tem um tempo diferente para girar em torno do Sol, sendo 12 anos para Júpiter, e 30 para Saturno.

Publicidade

Entre essas duas datas, a mais similar com a conjunção atual é a do século XIII. Algo assim não era visto, portanto, há quase 800 anos. Neste caso, o fenômeno poderá ser visto, no anoitecer, a partir de praticamente toda a Terra.

Neste ano, a conjunção ganhou um nome novo: Estrela de Belém. Isso em função da época de Natal e do conto da estrela que guiou os três Reis Magos até o lugar do nascimento de Jesus.

Pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP), Felipe Navarete explicou ao “G1” que a conjunção ocorre quando há um cruzamento entre os planetas. Embora pela visão da Terra Júpiter e Saturno pareçam tão próximos um do outro, a distância entre eles vai ser de aproximadamente 700 milhões de quilômetros.

Publicidade

“Esse efeito, essa conjunção ocorre a cada 400 e poucos anos. Século XIII, século XVII e agora XXI. Encontros semelhantes podem acontecer mais frequentemente, mas as máximas aproximações no céu são bem raras e demoram mais tempo para ocorrer”, disse Felipe.

“No dia 21 será a distância mínima. A olho nu você consegue separar os planetas: Júpiter e Saturno. Júpiter será mais brilhante. A olho nu vai dar para ver, embora não dê para enxergar os detalhes. Com binóculos pequeno você já consegue começar a ver melhor os detalhes”, afirmou.

 

 


Leia também:

Publicidade
1 Comentário

1 Comentário

  1. Pingback: Estrela de Belém: Após 800 anos, fenômeno será visível em todo o mundo - OTPB - Ordem dos Teólogos e Pastores do Brasil

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques do Mês