Conecte-se conosco

Brasil

Evangélico é preso sob suspeita de participar do assassinato do vigilante do terminal Dom Bosco

Publicado

em

Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (12), a polícia revelou a prisão de um terceiro homem, supostamente envolvido no assassinato do vigilante Paulo Rogério Burmann, de 38 anos, baleado no Terminal Dom Bosco, em Vitória, na manhã da última terça-feira (5), foi preso. O lavador de carros Leonardo CristianFernanda Zandonadi Alves Mota, de 22 anos, foi reconhecido por testemunhas e apontado pelo adolescente – que teria efetuado os disparos e já está detido – como um dos autores. Ele teria ficado dentro de um táxi, para garantir a fuga dos bandidos.
Dizendo ser um “servo de Deus”, Leonardo negou participação no crime e afirmou estar com familiares no morro do Romão, em Vitória, no momento do assassinato. Ele afirmou que o menor que o denunciou e que era morador do Morro do Cruzamento teria uma “richa” com ele, por conta de dívida de drogas. “Eu sou evangélico, eu não tenho envolvimento. O cara que meu deu o tiro está me acusando. Nem no morro do Cruzamento eu vou e minha mãe mora lá”.

Publicidade

Mulher de acusado faz manifestação em favor do marido

Depois de denunciar que o marido, Leonardo Cristian Alves Motta, ficou preso por 28 horas de forma irregular – de 16 horas de sexta-feira, dia 8, às 19 horas do dia seguinte -, Jordânia Motta, 23 anos, realiza nesta quarta (13), em frente a Delegacia Patrimonial, na avenida Marechal Campos, um protesto contra a prisão do marido.
Leonardo é acusado de ter participado da morte do vigilante Paulo Rogério Burman, 38 anos, ocorrido no Terminal Dom Bosco, em Vitória no último dia 5. Quem o acusou foi um menor de 17 anos, que, segundo o advogado Vítor Vervloet baleou Leonardo há dois anos.

Publicidade

Manifestação

.Jordânia procurou a imprensa ontem para denunciar a prisão de Leonardo sem flagrante e sem qualquer ordem judicial: “Mantiveram meu marido preso sem ordem judicial. Este sim é um crime. Leonardo e inocente, pois estava a pelos menos dois quilômetros do local do crimes”, disse Jordana.
Leonardo teve a sua prisão temporada de 30 dias concedida domingo pelo juiz de plantão da Central de Inquérito, Marcos Assef do Vale Depes, que, segundo o advogado Vítor Vervloet, sequer fundamentou, como determina a lei, a sua ordem de prisão.
A mulher de Leonardo e o advogado lamentaram a prisão irregular do acusado: “Como pode? A lei existe e ela tem que ser respeitada. Meu cliente ficou preso de sábado para domingo sem qualquer determinação judicial”, assegurou Vítor Vervloet. E a mulher de Leonardo acrescentou: “Vamos denunciar este fato a Corregedoria da Polícia Civil”.

Informante

Publicidade

Nesta terça, a polícia revelou ainda que um dos acusados da morte do vigilante seria informante da polícia. Segundo o titular da Delegacia Patrimonial e encarregado do caso, delegado Danilo Bahiense, Alexsandro Baptista, o “Lequinho”, suspeito de outros seis assassinatos e que está foragido, teria dado informações à polícia relativas a outros criminosos.
“Segundo consta, o Lequinho já passou muitas informações para a polícia. Mas isso é muito comum, existem criminosos que querem se beneficiar e denunciam inclusive pessoas que atuam no mesmo ramo de crime. É muito comum um traficante denunciar um outro traficante, para tomar conta sozinho de um local”, afirma o delegado.
O segurança da empresa Tasa, Paulo Rogério Burmann, foi atingido com um tiro no peito depois de ser abordado, junto com um colega de trabalho, por dois homens que roubaram os coletes e as armas dos vigilantes. Os assaltantes fugiram de táxi – um outro bandido aguardava no carro – para o Morro do Jaburu, em Vitória.
O crime poderia ter sido filmado se as câmeras de videomonitoramento do Terminal Dom Bosco estivessem funcionando. Segundo a assessoria da Ceturb – empresa que administra os terminais da Grande Vitória – duas câmeras foram furtadas e uma foi danificada por um caminhão.
Em outubro do ano passado, um entregador foi assassinado no terminal. Na época, a Ceturb informou que crime não foi filmado porque o local onde aconteceu estava fora do alcance do equipamento. De acordo com a empresa, o Dom Bosco será desativado quando os terminais de Jardim América, em Cariacica, e São Torquato, em Vila Velha, entrarem em funcionamento.

Fonte: Gazeta On Line

Destaques do Mês