Mulher que sobreviveu ao 11 de Setembro, vence Covid-19: “Há poder na oração”

"Eu digo às pessoas: 'Nova York continua tentando me matar!", disse a mulher ao ganhar alta após contrair o coronavírus

Christina Stanton se recupera da Covid-19. Foto: Reprodução/CBN News

Atualizado em 22/11/20 – Imagine sobreviver ao terrível ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 na cidade de Nova York e enfrentar um ataque severo ao Covid-19. Foi o que aconteceu com uma mulher que sobreviveu ao ataque e lutou junto com seu marido para vencer o novo coronavírus nos Estados Unidos.

No ano passado, Christina Stanton e seu marido Brian Stanton mostraram seu apartamento perto da torre sul do World Trade Center, apartamento que foi destruído no ataque do 11 de setembro de 2001. Eles estavam olhando para as Torres Gêmeas quando o segundo avião sequestrado passou bem perto deles a caminho da torre sul.

“As ondas de choque do avião explodindo naquele prédio realmente nos levaram de volta ao nosso apartamento.”, disse ela sobre a ventania que vieram sobre eles naquele dia.

Quando recuperaram a consciência, fugiram com muitas outras pessoas para Battery Park, na ponta de Manhattan, por outro lado, as Torres Gêmeas desabaram e os enterraram em uma espessa, ofuscante e sufocante nuvem de detritos.

“Todo mundo ficou preso na fumaça e estava, tenho certeza, preocupado que eles fossem asfixiados – lembrou Christina que descreveu como era estar lá. “Todo mundo estava correndo, gritando, esbarrando um no outro e catapultando coisas. E eu me lembro de olhar para Brian e dizer: ‘Nós vamos morrer?'”, lembrou a mulher que sobreviveu ao ataque terrorista nos EUA.

Os Stantons não morreram, mas sofreram problemas de saúde devido à poeira tóxica por anos. Seus problemas os aproximaram de Deus, Christina disse que: “Toda a nossa vida mudou por causa do 11 de setembro. Certamente aprofundou nosso relacionamento com Cristo”.

Hospitalizada duas vezes

Agora eles passaram o último mês lutando para sobreviver ao coronavírus, depois que os dois testaram positivo. “Foi definitivamente uma batalha. E você sabia muito bem que estava em uma batalha pela sua vida”, disse Christina Stanton que quase morreu duas vezes e teve que ser hospitalizada duas vezes.

“Eu não precisava estar conectado a um ventilador, e isso foi uma grande bênção. No entanto, visitei o hospital duas vezes durante o mês passado, porque o vírus se tornou esmagador e era algo que eu não conseguia administrar em casa.”, Disse ela.

Ela lembra da conversa dela com o médico responsável pela sua internação no hospital.

“Eu disse: ‘Você pode ser honesto e me diga quais são minhas chances de sobreviver a isso?’ E ele realmente disse ’50/50′, o que foi uma coisa chocante de se ouvir. E algumas pessoas disseram: ‘Uau, isso não é uma coisa muito legal de se dizer’. Mas eu discordo. Fiz uma pergunta honesta e ele me deu uma resposta honesta.”, lembra.

Christina percebeu que seria preciso mais do que ajuda médica para salvá-la. Ela viajou por anos trabalhando com missões e missionários no exterior e agora acrescentou uma infinidade de pedidos de oração que já havia enviado a amigos que havia feito em todo o mundo.

“Existe poder nesse nome”

“Quando eu descobri que era COVID positivo, nas primeiras horas depois disso, havia enviado pelo menos uma centena de e-mails ou mais pedindo às pessoas que orassem por mim.”, disse ela, lembrando como realmente podia sentir essas orações.

“Eu senti isso durante todo o processo. E houve momentos em que eu não conseguia orar por mim mesma”, ela admitiu. “Quando você tem uma temperatura superior a cem graus, é realmente difícil rezar ou até mesmo montar uma frase. E eu sabia que havia pessoas orando por mim quando eu não conseguia orar por mim mesma”.

Christina acrescentou: “Portanto, a oração é tudo. E invoquei bastante o nome de Jesus Cristo durante o mês passado. E há poder nesse nome e há poder na oração”.

“Nova York continua tentando me matar!”

A dor era tão forte e sua respiração tão cansada que ela mal conseguia falar por semanas, mas seu humor permanece intacto e se alegra de que nem o 11 de setembro nem o Covid-19 puderam levar seu esposo ou ela.

“É outro ângulo de Jesus estar lá quando uma experiência de quase morte estava à minha porta da frente mais uma vez .”, Concluiu Christina Stanton. “Eu digo às pessoas: ‘Nova York continua tentando me matar!'”

 


Receba nosso conteúdo EXCLUSIVO no Whatsapp! Clique Aqui!


 

COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.