Rodrigo Maia diz que portaria do Ministério da Saúde, sobre ‘aborto legal’, é inconstitucional

A portaria do Ministério da Saúde cria novas regras para realização de aborto nas formas previstas em lei

Rodrigo Maia, presidente da câmara – Foto: Reprodução/ Facebook

O deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, disse na última terça-feira (1º), que a portaria do Ministério da Saúde que altera os procedimentos para o aborto legal em caso de estupro é “ilegal” e “inconstitucional”. O congressista avalia que se o governo não recuar, Parlamento ou Supremo Tribunal Federal (STF) podem impedir a medida.

+ Judeus oram, e tocam o shofar selando acordo de paz entre Israel e Emirados Árabes

De acordo com a portaria, os procedimentos devem ser seguidos para garantir a licitude do aborto e a segurança jurídica aos profissionais de saúde envolvidos.

– Não é o Ministério da Saúde que pode tomar a decisão como tomou, uma interferência em uma lei. A melhor decisão é que o governo pudesse recuar, se isso não ocorrer, devemos ter voto aqui na Câmara ou ir ao Supremo Tribunal Federal para sustar uma portaria ilegal – Disse Maia.

+ STJ prorroga por mais cinco dias prisão de Pastor Everaldo

Para o presidente, a legislação brasileira já define um marco “claro e nítido” sobre o estupro. A nova norma prevê que, antes de aprovar a interrupção da gravidez, a equipe médica deverá informar a gestante acerca da possibilidade de visualizar o feto ou embrião por meio de ultrassonografia, caso assim deseje.

Outro ponto exige que médicos, profissionais de saúde ou responsáveis por estabelecimento de saúde notifiquem à polícia os casos em que houver indícios ou confirmações de estupro. Especialistas avaliam que a medida pode dificultar o acesso de mulheres ao direito já previsto em lei.

– A gente não deve criar nenhum tipo de decreto, ou portaria que constranja a decisão da mulher. Uma portaria completamente ilegal, inconstitucional, que não respeita as normas legais do nosso país. É a minha posição pessoal, por isso que eu não digo nem posso dizer qual vai ser a decisão, mas eu acho que o melhor caminho é que o governo pudesse recuar e pudesse discutir com o Congresso, debater o assunto – Argumentou Rodrigo Maia.

+ Pastores fecham templos da Assembleia de Deus em Valadares e fiéis fazem culto na calçada

Sobre a Portaria

A portaria do Ministério da Saúde, número 2.282, de 27 de agosto, obriga a notificação à autoridade policial em todos os casos cobertos pela lei, mesmo nos de risco de morte à mãe, quando a decisão médica, muitas vezes, é tomada dentro do centro cirúrgico. No país, o aborto é autorizado em caso de violência sexual ou quando o parto põe em risco a vida da mulher.

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participará de vídeoconferência com os senadores na próxima quarta-feira (9), às 14h30, para esclarecer a Portaria Ministerial. Na Câmara e no Senado, parlamentares já apresentaram projetos para sustar a validade das novas regras.

 

*Agência Brasil

 


COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.