Conecte-se conosco

Gospel

Milhares de cristãos são postos em campos de concentração na Coreia do Norte

Publicado

em


Enquanto o governo da Coreia do Norte se recusa a reconhecer
a existência de presos políticos, milhares de cristãos e outros prisioneiros de
consciência permanecem trancados em grandes campos de concentração que lembram
o holocausto nazista.

Visto facilmente através de imagens de satélite, mas
fortemente negado pelo governo, os campos de concentração norte-coreanos
carregam o horror das prisões e torturas da época do Holocausto. Um livro,
lançado no início desse mês, traça o perfil de Shin Dong-Hyuk, único homem que
conseguiu escapar de um campo classificado como “zona de controle
total”. Depois de passar algumas semanas na lista dos mais vendidos,
Escape from Camp 14 (Escapei do Campo 14, tradução livre) chamou a atenção
internacional para a Coreia do Norte.

O país, frequentemente, enfrenta críticas de organizações de
direitos humanos. A Portas Abertas EUA destaca a terrível situação em que vivem
os crentes da Coreia do Norte: a isolada nação asiática ocupa a posição número
um na Classificação de Países por Perseguição de 2012; de uma compilação de 50
países onde os crentes enfrentam mais perseguição religiosa. Estima-se um
número entre quarenta e setenta mil cristãos que sofrem em campos de zona de
controle total, onde as pessoas rotuladas como “pensadores errados”
são enviadas para morrer.

Shin Dong-hyuk nasceu neste mesmo tipo de campo, em 1982. Em
seu livro, ele admite que denunciou sua mãe e irmão aos guardas da prisão
porque eles planejaram fugir sem ele. Como resultado, eles foram pendurados na
frente de Shin e outros prisioneiros; ele próprio também foi torturado, como
punição por seu “crime”.

Shin disse ao jornalista americano Blaine Harden, autor de
Escape from Camp 14, que ele “queria que as pessoas soubessem qual é o tipo de
criança que vive nesses campos: extremamente leal aos guardas; que faria
qualquer coisa para conseguir mais alimentos”.

As condições nos campos de prisioneiros norte-coreanos são
semelhantes aos campos sob o inesquecível regime de Hitler, Stalin e Mao.
“Prisioneiros políticos” trabalham, essencialmente, até a morte;
enquanto são submetidos a torturas físicas e psicológicas graves. A Portas
Abertas revelou que a carga horária básica de trabalho são 18-20 horas por dia,
com pouca ou nenhuma comida. Para complementar a ração que recebem para comer,
os presos consumem qualquer coisa comestível, incluindo cobras, ratos, insetos,
raízes e ervas.

Em abril, a Comissão Norte-Americana para os Direitos
Humanos na Coreia do Norte lançou um relatório baseado em entrevistas com 60
ex-prisioneiros e guardas. O relatório de duzentas páginas descreve prisões
localizadas principalmente nas regiões montanhosas do norte, rodeadas por arame
farpado e cercas elétricas – cercas que Shin escalou na esperança de escapar,
usando o corpo de seu melhor amigo como isolamento contra a corrente mortal.

Em 2009, a Coreia do Norte declarou ao Conselho de Direitos
Humanos das Nações Unidas: “O termo ’preso político não existe no
vocabulário da DPRK (sigla em inglês que, traduzida, quer dizer República
Democrática Popular da Coreia); acampamentos dos prisioneiros chamados
‘políticos’ não existem”. De acordo com o relatório de abril, ex-prisioneiros
foram capazes de identificar seus locais de trabalho, áreas de execução e
outros marcos usando imagens de satélite disponíveis no Google Earth.

Greg Scarlatoiu, diretor executivo do Comitê para os
Direitos Humanos na Coreia do Norte, disse que, enquanto a Coreia do Norte
tenta esconder as realidades terríveis de Pyongyang, mais de trinta mil
desertores norte-coreanos fugiram do país.

Ore em favor dos crentes presos na Coreia do Norte. Peça a
Deus para sustentá-los e para que eles possam ser libertos. Clame por mudanças
que só podem ser trazidas através do Evangelho.

Portas Abertas

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Destaques do Mês