Nota de Esclarecimento da Igreja Batista Getsêmani sobre o caso “Popó”

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Na última quarta-feira, dia primeiro de abril, a TV Alterosa divulgou no telejornal, exibido às 13 horas, uma determinada matéria utilizando imagens da Igreja Batista Gestsêmani.

Logo após a exibição, o apresentador do telejornal, comentou que um “foragido” da Justiça estaria “exercendo o cargo de pastor na igreja”.
Por sermos membros do corpo de Cristo, onde nossas ações são sempre visíveis e pautadas na Palavra de Deus, informamos aos amados irmãos que:
A pessoa citada na reportagem exibida, no caso, Sr. Milton Rosa, foi contratado há um ano e seis meses em nossa igreja na função de auxiliar de serviços gerais. A relação da Igreja Batista Getsêmani é apenas trabalhista não há outro vínculo.
Durante todo esse período e apenas como funcionário, o mesmo se mostrou um homem temente a Deus e em momento algum faltou com respeito aos seus colegas de trabalho ou aos seus superiores, sempre exercendo a função para o qual foi contratado de maneira zelosa e conforme as expectativas do seu empregador, que no caso trata-se da Igreja Batista Getsêmani.
O Sr. Milton não foi e não é pastor do ministério da Igreja Batista Getsêmani, além do fato de sequer pertencer ao rol de membros de nossa igreja.
Sobre o fato de estar “foragido da Justiça” cumpre esclarecer que quando o Sr. Milton  foi contratado não era de conhecimento da Igreja Batista Getsêmani que havia um mandado de prisão contra o mesmo e que fosse de conhecimento público. Portanto, a Igreja Batista Getsêmani não tinha em mãos essa informação.
Em respeito à parte legal deste acontecimento, a assessoria jurídica está acompanhando o caso em busca de colaborar ao máximo com o cumprimento da Justiça, como determina a Bíblia.
 
“Quem em Cristo está, nova criatura é, e as coisas velhas se passaram…”
(2 Coríntios 5.17).    
 

Igreja Batista Getsêmani
www.getsemani.com.br

Matéria relacionada: 
Foragido da Justiça prega em DVD evangélico

Fonte: Igreja Batista Getsêmani

COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.