Padre Marcelo Rossi alia-se a evangélicos contra ministra “abortista”

Setores evangélicos e católicos estão se unindo pela não aprovação do aborto no Brasil.

Um grande exemplo foi a declaração do padre Marcelo Rossi ao Jornal Folha de São Paulo nesta segunda-feira, 27, defendendo a soma de forças entre as igrejas.


“Existem princípios que regem a igreja e, se forem violados, há mobilização. Se um candidato for a favor doaborto, não só eu, mas também setores evangélicos vão se mobilizar contra”, disse.


A afirmação se refere à reação de setores cristãos contrários à nomeação da nova ministra da Secretaria para as Mulheres, Eleonora Menicucci, que defende a descriminalização do aborto.


A polêmica em trono da ministra que tomou posse em fevereiro foi desencadeada logo em suas primeiras declarações em seu novo cargo, quando colocou o aborto como uma questão de saúde pública e não de ideologia.


Ela equiparou o aborto a questões como o crack e outras drogas, a dengue, o HIV e todas as doenças infectocontagiosas.


Uma das primeiras reações foi do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), da Frente Parlamentar Evangélica, que convocou os fieis para combaterem a nova ministra.


Cunha escreveu em seu Twitter que a “posse da abortista é sintomática para todos nós e devemos mostrar de forma contundente a nossa revolta. Aborto não.”


A ministra substituiu Iriny Lopes, que vai disputar as eleições municipais pela Prefeitura de Vitória (ES). Além de socióloga, Eleonora é professora e é ex-companheira de cárcere da presidente Dilma Rousseff em sua prisão durante a ditadura.


Em meio à polêmica, a ministra afirmou em sua primeira entrevista oficial que, estando no cargo, adotaria a linha defendida pelo governo sobre o assunto. “A partir do convite da presidente Dilma eu sou governo e minha posição é de governo”, disse.


A união de forças entre lideranças evangélicas e católicas vem a confirmar o peso e a influência cristã na política, e mostra a afinidade sobre temas-chave para os cristãos, como a questão da descriminalização do aborto.


Novo Templo


Marcelo Rossi, durante a entrevista à Folha, também comentou sobre a inauguração do Santuário Mãe de Deus, que terá capacidade para 100 mil pessoas, e onde passará a celebrar suas missas.


De forma pejorativa, ele mencionou o líder neopentecostal Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), que inaugurou na última virada do ano um templo em Guarulhos.


“Você viu o caso do Valdemiro, que parou a Via Dutra? Quero tudo certinho, com alvará. Não estou acima da lei.”


O local citado tem capacidade para 130 mil pessoas, e a falta de planejamento na inauguração causou um mega congestionamento da rodovia presidente Dutra, afetando até os passageiros que tentavam chegar ao Aeroporto internacional de Guarulhos.


A igreja de Valdemiro possuía um alvará provisório que permitia a presença de apenas 30mil pessoas no local.

Christian Post

COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.