Conecte-se conosco

Ex-detento tem vida transformada por Deus e volta ao presídio para ajudar outros presos

Publicado

em

Joymir estava preso no complexo penitenciário da Papuda, um dos maiores do Brasil. Lá recebeu uma mensagem de esperança que mudou sua história – Foto: Arquivo pessoal

Em dois anos, o registro de pessoas encarceradas no Brasil atingiu o número de 820 mil em regime fechado, semiaberto ou que cumprem pena em abrigos. Atualmente, os presídios enfrentam superlotação, com 50% a mais da capacidade ideal, segundo dados do Banco de Monitoramento de Prisões e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Para tentar mudar essa realidade, a religião é utilizada para trabalhar no processo de ressocialização dos detentos e busca auxiliar na redução das taxas de reincidência no crime. Além disso, prevê melhor comportamento dos presos.

Diante disso, a Igreja Adventista do Sétimo Dia de Brasília e Entorno tem oferecido auxílio ao poder público a fim de alcançar esses objetivos. Por isso, mantém o Ministério Carcerário, que atende mais de 16 mil detentos na região.

Joymir Guimarães é o coordenador da iniciativa. Ele também teve a vida transformada por ações semelhantes realizadas pelo projeto que coordena. Preso no complexo penitenciário da Papuda, um dos maiores do Brasil, teve sua vida transformada ainda na cadeia.

E ele não quis guardar essa ‘esperança’ só para ele. Anos depois, voltou ao complexo e foi o primeiro ex-presidiário autorizado a levar alento aos detentos por meio de mensagens bíblicas. “A espiritualidade tem grande importância na reinserção e na ressocialização de quem sai de uma cadeia. Eu estava lá, jogado às traças, esquecido. A Igreja acreditou em mim e isso foi de extrema importância para minha ressocialização. Agora voltei para ajudar outros”, conta, emocionado.

O coordenador explica que o Ministério auxilia na recuperação dos dependentes químicos, dá suporte aos familiares e incentiva a cultura por meio de uma ação intitulada “Página Virada”.

PÁGINA VIRADA

Em parceria com o Ministério Público do Trabalho e a Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal, o Ministério Carcerário propõe estimular a leitura dos detentos. Em troca, eles têm a possibilidade de reduzir a pena. As reuniões acontecem todas às segundas e quintas-feiras, quando é realizada uma roda de conversa referente à leitura da semana.

A cada livro lido no período de 30 dias, os presos fazem uma redação e precisam tirar uma nota mínima de seis pontos. Alcançado o valor mínimo, diminuem a sentença em quatro dias. Por ano, o máximo possível de pena reduzida por meio da leitura equivale a 48 dias. No final do projeto, são realizadas avaliações das redações produzidas e as três melhores são premiadas.

“Ficamos muitos felizes com o resultado. O interessante, também, é como aplicamos as histórias do livro ao nosso dia a dia. Falamos sobre como sair da vida do crime, o que devemos fazer, quais são os caminhos, quais são as diretrizes. Os detentos passam a ter uma nova visão de vida e comentam que nunca haviam pensado desta maneira”, detalha Guimarães.

Dezenas de voluntários participam das ações, como pastores, capelães, advogados e psicólogos. Cada profissional auxilia de forma específica. Durante as visitas, os voluntários conversam com os detentos e utilizam histórias da Bíblia para proporcionar momentos de reflexão e mudança na vida deles.

Para mais informações sobre os projetos, entre em contato pelo telefone (61) 3343-5349.

O Ministério Carcerário tem transformado a vida de centenas de presos – Foto: Divulgação

Fonte: Notícias Adventistas

Destaques do Mês