Conecte-se conosco

Mundo

Após críticas, Max Lucado pede perdão por pregação sobre homossexualidade

Publicado

em

Max Lucado – Foto: Reprodução/Instagram

O autor e pastor evangélico Max Lucado pediu desculpas por “desrespeitar” e “ferir” a comunidade LGBT em um sermão de 2004 em que comparou a homossexualidade ao incesto e a bestialidade. Ele foi bastante criticado depois que a Catedral Nacional de Washington lhe convidou como orador convidado.

Publicidade

Em uma pregação de 2004, Max havia ministrado sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo onde comparou o casamento entre pessoas do mesmo sexo ao incesto e à bestialidade. Logo, Max Lucado passou a ser alvo de ataques de ativistas do movimento LGBT por sua participação na Catedral.

O pastor da Oak Hills Church, uma igreja em San Antonio, Texas, pediu desculpas em uma carta enviada para a Igreja Episcopal de São Pedro e São Paulo. O líder religioso disse que foi desrespeitoso com a comunidade LGBTQ.

Publicidade

“Eu feri pessoas de maneiras devastadoras”, disse Lucado em 7 de fevereiro. “Eu deveria ter feito melhor. Lamento que minhas palavras tenham ferido ou tenham sido usadas para ferir a comunidade LGBTQ. Peço desculpas a você e peço perdão a Cristo”, disse.

Membros da Igreja Episcopal, uma denominação conhecida por ter opiniões liberais sobre questões de casamento e sexualidade, lançaram uma petição pedindo ao reitor da catedral, Randy Hollerith, que rescindisse o convite de Lucado para pregar.

“Os ensinamentos e a pregação de Lucado infligem danos ativos às pessoas LGBTQ”, dizia a petição.

Publicidade

“Para citar um exemplo, em 2004 ele escreveu sobre seus temores de que a homossexualidade levasse ao ‘incesto legalizado’ e comparou o casamento entre pessoas do mesmo sexo ao incesto e à bestialidade. Mensagens de fomento ao medo e desumanas de oradores poderosos como Lucado têm sido usadas para justificar a reversão dos direitos LGBTQ e para excluir pessoas LGBTQ da proteção civil e ritos sagrados. Pelo que sabemos, Lucado não renunciou publicamente a essas opiniões”, afirmaram na petição.

Lucado disse que pessoas fiéis podem discordar sobre o que a Bíblia diz sobre a homossexualidade, “mas concordamos que a santa Palavra de Deus nunca deve ser usada como arma para ferir outros”.

“Ao longo dos séculos, a igreja prejudicou as pessoas LGBTQ e suas famílias, assim como a igreja prejudicou as pessoas em questões de raça, gênero, divórcio, vício e tantas outras coisas. Devemos fazer melhor para servir e amar uns aos outros”, disse Lucado.

Leia a carta de Lucado:

“Querida comunidade da Catedral,

Foi uma grande honra servir como seu pregador convidado em 7 de fevereiro de 2021. Chegou a meu entendimento de que minha presença na Catedral é causa de consternação para muitos de seus membros.

Publicidade

Fui convidado para a Catedral Nacional de Washington para pregar sobre o tema do Santo Espírito. Meu desejo era destacar o poder do Espírito para trazer conforto nestes caóticos vezes. No entanto, em vez daquele sermão, muitos só ouviram minhas palavras de muitos anos atrás.

Em 2004, preguei um sermão sobre o tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Agora eu vejo isso, naquele
sermão, eu fui desrespeitoso. Eu magoei. Eu feri pessoas de maneiras devastadoras.

Eu deveria ter feito melhor. Me entristece que minhas palavras tenham ferido ou tenham sido usadas para ferir o
Comunidade LGBTQ. Peço desculpas a você e peço perdão a Cristo.

Pessoas fiéis podem discordar sobre o que a Bíblia diz sobre a homossexualidade, mas nós concordar que a santa Palavra de Deus nunca deve ser usada como uma arma para ferir outros. Para ser claro, eu acredito na compreensão bíblica tradicional do casamento, mas também acredito em um Deus de graça e amor ilimitados. Indivíduos LGBTQ e famílias LGBTQ devem ser respeitados e tratados com amor. Eles são filhos amados de Deus porque, eles são feitos na imagem e semelhança de Deus.

Ao longo dos séculos, a igreja prejudicou as pessoas LGBTQ e suas famílias, assim como a igreja prejudicou pessoas em questões de raça, gênero, divórcio, vício e tantos outros aspectos. Devemos fazer melhor para servir e amar uns aos outros.

Compartilho o compromisso da Catedral de construir pontes e aprender a ouvir – a realmente ouça – aqueles de quem discordamos. Esse trabalho é difícil, é difícil, é bagunçado, e pode ser desconfortável. Mas precisamos disso agora mais do que nunca.

Publicidade

Respeitosamente,
Max Lucado”.

 

Destaques do Mês