Leia nota da polícia, sobre a morte do adolescente de 14 anos morto após operação no Rio

Família de João Pedro diz que polícia entrou atirando 'de maneira cruel'; corporação fala que houve confronto na região

João Pedro Matos Pinto estava dentro da casa de familiares quando foi baleado | Foto: reprodução/Twitter

A pós a morte de João Pedro Mattos Pinto de 14 anos, que foi atingido durante uma operação das polícias federais e civis na noite dessa segunda-feira (18), emitiram notas sobre a morte do adolescente.

O garoto foi morto, após uma operação conjunta Polícia Federal, com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro.

 

LEIA TAMBÉM:

+Morre esposa do pastor Paulo Cezar, líder do Grupo Logos

+Gabriela Rocha lança “Lugar  Secreto” em espanhol com Christine D’ Clario

+Evangelista Ravi Zacharias morre de câncer aos 74 anos

 

Segundo parentes, o garoto brincava no quintal da casa de um tio, quando policiais invadiram o imóvel e o atingiram na barriga. A família ficou mais de 17 horas a procura do jovem e mobilizou as redes sociais atrás de informações. Uma amiga da família de João Pedro disse que ele foi levado de helicóptero e segundo a família dele, o adolescente foi levado na aeronave sem que qualquer pessoa pudesse acompanhá-lo, tampouco sem saber para aonde ia.

A Delegacia que está investigando o caso, instaurou um inquérito para apurar a morte de João Pedro. Uma perícia foi realizada no local e duas testemunhas prestaram depoimento. Os policiais foram ouvidos e as armas apreendidas para confronto balístico. Outras diligências estão sendo realizadas para esclarecer as circunstâncias da morte.

A ação visava cumprir dois mandados de busca e apreensão contra lideranças de uma facção criminosa. A polícia afirma ainda que traficantes dispararam contra os policiais e arremessaram granadas na direção dos agentes.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, agentes prestaram atendimento, mas João Pedro não resistiu aos ferimentos. O corpo foi encaminhado para o IML de São Gonçalo.

O pai de João Pedro se emocionou ao falar do filho.

Um jovem com um futuro brilhante pela frente, que já sabia o que queria do seu futuro. Mas, infelizmente a polícia interrompeu o sonho do meu filho. A polícia chegou lá de uma maneira cruel, atirando, jogando granada, sem perguntar quem era. Se eles conhecessem a índole do meu filho, quem era meu filho, não faziam isso. Meu filho é um estudante, um servo de Deus. A vida dele era casa, igreja, escola e jogo no celular – lamentou em entrevista à TV Globo.

Nesta terça-feira (19), às polícias federal, civil e militar se manifestaram com relação à morte do garoto. Leia abaixo cada uma.

 

O que dizem as polícias

Nota da PM: “Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na segunda-feira (18/5), policiais militares do Batalhão Aeromóvel (GAM) atuaram em apoio aéreo a uma operação realizada pela Polícia Federal com apoio também da Polícia Civil na Comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo. Vale ressaltar que a Polícia Militar não foi solicitada para realizar o socorro de pessoas feridas durante a ação.”

Nota da PF: “A Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro informa que, na data de ontem, 18/05, durante operação da Polícia Federal com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo / RJ um adolescente foi ferido. A ação visava cumprir dois mandados de busca e apreensão contra lideranças de uma facção criminosa da região. Durante a ação, seguranças dos traficantes tentaram fugir pulando o muro de uma casa. Eles dispararam contra os policiais e arremessaram granadas na direção dos agentes. No local foram apreendidas granadas e uma pistola. O jovem ferido na ação foi socorrido de helicóptero. Médicos do Corpo de Bombeiros prestaram atendimento, mas ele não resistiu aos ferimentos. O corpo foi encaminhado para o IML de São Gonçalo. A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) informou que já instaurou inquérito para a apurar as circunstâncias que levaram à morte do adolescente. A Polícia Federal acompanhará e prestará todas as informações e apoio necessário à elucidação dos fatos.”

Nota da Civil: “A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) instaurou inquérito para apurar a morte de um adolescente ferido durante operação da Polícia Federal com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. Foi realizada perícia no local e duas testemunhas prestaram depoimento na delegacia. Os policiais foram ouvidos e as armas apreendidas para confronto balístico. Outras diligências estão sendo realizadas para esclarecer as circunstâncias do fato. A ação visava cumprir dois mandados de busca e apreensão contra lideranças de uma facção criminosa. Durante a ação, seguranças dos traficantes tentaram fugir pulando o muro de uma casa. Eles dispararam contra os policiais e arremessaram granadas na direção dos agentes. No local foram apreendidas granadas e uma pistola. O jovem foi ferido e socorrido de helicóptero. Médicos do Corpo de Bombeiros prestaram atendimento, mas ele não resistiu aos ferimentos. O corpo foi encaminhado para o IML de São Gonçalo.”


Receba nosso conteúdo EXCLUSIVO no Whatsapp! Clique Aqui!

COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.