Bolsonaro dá “graças a Deus” por Moro ter saído do governo

Bolsonaro afirmou ainda que Moro foi "covarde" durante a reunião interministerial do dia 22 de abril

HUGO BARRETO/METRÓPOLES

O presidente Jair Bolsonaro agradeceu a Deus pelo fato do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro ter desistido de seguir no comando da pasta. A fala foi dita por ele diante de apoiadores nessa segunda-feira (1º). Bolsonaro ainda afirmou que Sergio Moro foi “covarde” durante a reunião interministerial do dia 22 de abril.

– Por isso que naquela reunião secreta o Moro, de forma covarde, ficou calado. Então é isso que estava acontecendo. Ele queria ainda uma portaria depois que multasse quem estivesse na rua. Esse era o cara que estava lá perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa. Graças a Deus ficamos livres dele – Afirmou o presidente.

 

Leia Mais:

+Donald Trump caminha até uma igreja danificada com bíblia nas mãos

+Pastor da Assembleia de Deus morre vítima de coronavírus em Maceió

+“Se afaste de gente que se alimenta da sua dor”, diz Felippe Valadão no VillaMix

 

O ex-juiz pediu demissão em abril e deixou o cargo acusando o presidente de interferir politicamente na Polícia Federal. A reunião interministerial citada por Bolsonaro ocorreu dois dias antes de Moro pedir demissão do governo. Sergio Moro apontou o conteúdo da reunião como prova de que Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal.

Em resposta ao presidente, o ex-ministro publicou em sua conta oficial no Twitter uma nota sobre as declarações de Bolsonaro. Moro disse que quem parte para “ofensa pessoal” não tem “razão ou argumentos”.

Leia abaixo:

NOTA: Sobre as declarações do Presidente no Alvorada sobre minha gestão no MJSP, presto os seguintes esclarecimentos:
1 -As medidas de isolamento e quarentena são necessárias para conter a pandemia do coronavírus e salvar vidas. Devem, certamente, ser acompanhadas de medidas para salvar empregos, renda e empresas. Sempre defendi que as medidas deviam ser aplicadas mediante diálogo e convencimento. Mas a legislação prevê como um recurso excepcional a prisão, conforme art. 268 do Código Penal. A Portaria Interministerial n.º 5 sobre medidas de isolamento e quarentena, por mim editada junto com o Ministro Mandetta, apenas esclarecia a legislação e deixava muito claro que a prisão era medida muito excepcional e dirigida principalmente aquele que, ciente de estar infectado, não cumpria isolamento ou quarentena. Durante minha gestão como Ministro da Justiça e Segurança Pública, dialoguei com os Secretários de Segurança dos Estados e do DF para evitar ao máximo o uso da prisão como sanção ao descumprimento de isolamento e quarentena, inclusive isso foi objeto expresso de reunião por videoconferência com os Secretários de Segurança no próprio 22/04/2020. Acredito em construir políticas públicas mediante diálogo e cooperação, como deve ser, de nada adiantando ofensas ou bravatas.

2 – Sobre políticas de flexibilização de posse e porte de armas, são medidas que podem ser legitimamente discutidas, mas não se pode pretender, como desejava o Presidente, que sejam utilizadas para promover espécie de rebelião armada contra medidas sanitárias impostas por Governadores e Prefeitos, nem sendo igualmente recomendável que mecanismos de controle e rastreamento do uso dessas armas e munições sejam simplesmente revogados, já que há risco de desvio do armamento destinado à proteção do cidadão comum para beneficiar criminosos. A revogação pura e simples desses mecanismos de controle não é medida responsável.

3 – Sobre a ofensa pessoal feita, meu entendimento segue de que quem utiliza desse recurso é porque não tem razão ou argumentos. Curitiba, 01 de junho de 2020. Sergio Fernando Moro.


Receba nosso conteúdo EXCLUSIVO no Whatsapp! Clique Aqui!


 

COMENTÁRIOS

Os comentários não representam a opinião do Gospel Minas; a responsabilidade é do autor da mensagem.