Conecte-se conosco

Colunistas

O irmão mais velho

Publicado

em

Foto: Carafife

Lucas 15:32: “Disse o pai: ‘Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que tenho é seu. Mas nós tínhamos que celebrar a volta desse seu irmão e alegrar-nos, porque ele estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi achado'”.

A parábola do filho pródigo foi contada por Cristo e está registrada no evangelho segundo Lucas. Nessa história, costumamos levar nossos olhos para o filho mais jovem que sai de casa levando consigo a sua parte da herança, deixando para trás um pai triste e humilhado, e um irmão mais velho rancoroso e distante da graça. Para que você compreenda melhor essa passagem, preciso lhe indicar a leitura de um livro que abrirá os olhos para todos os personagens: “O Deus Pródigo” de Tim Keller.

 

Publicidade

Leia Mais:

+A última noite do mundo

+Errando e Aprendendo

+Os óculos que uso

Publicidade

 

Nesse relato visceral, Keller descreve o filho mais velho como aquele que ainda não compreendeu a graça em sua amplitude, o filho que trabalha na casa do pai não porque o ama e o quer agradar, mas porque usa seu serviço como barganha para que assim possa ganhar algo em troca. O filho mais velho é um interesseiro, tão pecador quanto o mais jovem, mas sem coragem de pedir ao pai sua parte da herança. Por isso, vive como um fariseu, julgando seu irmão e condenando o pai por receber o desertor de volta, isso porque em seu mal coração, desejava que o mais jovem nunca voltasse, assim poderia usá-lo como desculpa para todo erro que viesse a cometer.

Tal relato me fez pensar em como a igreja cristã tem se comportado diante da sociedade brasileira hoje. Será que somos como esse irmão mais velho que cheio de ódio e rancor amaldiçoa a todos por seus erros e pecados, afirmando que Deus não os perdoará enquanto, cegamente, se assenta sobre seus próprios erros e pecados, tentando encobri-los com um falso cristianismo? Ou será que amamos nossos irmãos mais novos a ponto de orar para que eles voltem, a ponto de colocar o pé no caminho e ir busca-los em meio aos porcos?

Precisamos diariamente realinhar nossos corações ao coração de Deus. É urgente que nos desfaçamos de toda hipocrisia, do falso cristianismo que nos afasta do Senhor e principalmente, que nos arrependamos, de toda maldade, de toda violência, ódio e desamor que vive em nossos corações. Não podemos viver nem um dia sequer como fariseus modernos que afastam do Pai aqueles a quem Ele ama.

Você sabe que o irmão mais novo é aquele que se desviou do caminho, aquele que se perdeu, mas ainda pode ser encontrado. Durante toda a história, o pai espera no portão pelo filho amado, ele deseja revê-lo, mesmo depois de toda vergonha que o mais jovem lhe fez passar, o pai o ama. E esse mesmo amor precisa existir em nossos corações, precisamos ansiar, orar e agir para que os irmãos mais jovens, espalhados por toda a nação, se voltem a Deus Pai.

O Senhor preparou um banquete para todos os seus filhos e nessa mesa não existe mérito ou bom trabalho que justifique nosso lugar. Temos apenas a graça imerecida que o sacrifício de Cristo proporcionou a todos nós, pois ele é o irmão mais velho que foi e buscou cada um de nós, o mais novo pecador.

Publicidade

Graça e Paz!

Você pode acompanhá-la em seu Instagram: @barbarelap.

Uma santa pecadora, desfrutando da graça salvífica de um bom Deus. Cristã Batista. Belo horizontina. Pedagoga. Amante de bons livros e café.

1 Comentário

1 Comentário

  1. Pingback: O triste adeus à Bárbara Pita, colunista do site Gospel Minas

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques do Mês