Conecte-se conosco

Chefe de polícia se torna missionário e diz: “Agora estou tirando as pessoas de suas celas”

Publicado

em

Tim Leathers deixou de ser delegado e hoje é pastor e missionário. (Foto: Facebook/Tami Allen Leathers)

O ex-chefe de polícia Tim D. Leathers é agora um candidato a missionário dos EUA. E assim junto com sua esposa, Tami, opera um centro residencial para mulheres que estão em transição de volta à sociedade. Ou seja, depois debilitação por drogas ou encarceradas.

Publicidade

“Passei 15 anos e meio colocando pessoas na prisão”, diz Leathers, de 56 anos. “Agora estou tirando as pessoas de suas celas”.

Tim e Tami se formaram na Evangel University e se casaram em 1989. Logo após, Tim serviu como pastor de jovens na Bethel Church, uma congregação das Assembleias de Deus em Rock Island, Illinois. Em seguida, Tami começou a trabalhar como professora primária.

Publicidade

Tim Leathers deixou de ser delegado e hoje se dedica às missões urbanas ao lado de sua esposa – Foto: Reprodução

 

Em 2002, Tim se tornou pastor da Heartland Fellowship Church, uma congregação da Assembleia de Deus em Wilton, Iowa, 25 milhas a oeste de Davenport. Assim sendo, ele rapidamente participou de outras atividades na comunidade de 2.800 habitantes, incluindo ingressar na reserva policial. Durante a faculdade, Leathers trabalhou como despachante e carcereiro em Salem, Missouri. Às vezes cavalgava com seu irmão gêmeo idêntico, Mark Shawn Leathers, policial em Rolla, Missouri.

Publicidade

Um ano depois de se mudar para Wilton, aos 40 anos, Tim tornou-se policial em tempo integral – trabalhando bivocacionalmente como pastor. Mas com a ressalva de que não trabalharia no turno de domingo.

O chamado de Deus

Apenas um ano e meio depois que ele entrou para a força policial, a cidade nomeou Leathers como chefe de polícia do departamento. Que tem quatro policiais em tempo integral e oito em meio período. Ele continuou pastoreando e viu sua nova posição como uma forma de ministrar fora das paredes da igreja.

“Eu tenho que estar com pessoas feridas todos os dias, pessoas em situações desesperadoras”, diz Leathers. “Eu adorava ajudar alcoólatras e viciados em drogas”.

Então, por longos períodos, Tim e Tami convidaram pessoas se recuperando de problemas de controle de vida para ficar em suas casas. Enquanto isso, Tami começou a trabalhar para um ministério de Davenport que ajuda os pobres, encarcerados e viciados a se recuperarem. Em 2018, Tami acreditava que deveria abrir um lar residencial para mulheres que tentavam se restabelecer após a dependência de drogas ou detenção.

Em 2019, o casal abriu a LifeHouse Women’s Home. Depois que comprou uma casa de feita de toras de madeiras de 6000 pés quadrados. Que antes servia como um rancho para meninos problemáticos. Tim continua sendo um ministro da Assembleia de Deus ordenado. E Tami tem seu próprio apartamento particular conectado à casa. Já que atua como diretora executiva e CEO. E assim escolheram o caminho para se tornarem missionários dos EUA com os Ministérios de Capelania como um meio de credibilidade e responsabilidade pelo novo ministério.

Publicidade

Atualmente, quatro mulheres moram na casa, embora no final uma dúzia permaneça para o programa de um ano. Lauren Howell se tornou a primeira formada em 21 de novembro.

“Alguns vêm apenas porque sabem que precisam de ajuda, enquanto outros foram em liberdade condicional direto da prisão”, diz Tami. “Vivemos com essas mulheres; não perdemos o ponto no final do dia”.

Um pouco sobre a LifeHouse

Na LifeHouse, as mulheres avançam em cinco fases de aulas, todas ministradas por Tami. Ao longo do percurso, as residentes ganham mais liberdades, que vão desde a retomada do uso do celular até encontrar emprego e pagar aluguel.

No local está sendo construído uma estufa na qual os produtos serão cultivados para venda no mercado de um fazendeiro. Além disso, 1500 peixes tilápia foram estocados na propriente para venda, junto com ovos postos por galinhas que vagam pela terra.

Já o treinamento profissionalizante inclui aulas de construção e soldagem, em parte por causa que os principais empregadores na Quad Cities incluem John Deere e JI Case.

“Queremos treinar novamente essas mulheres para que sejam capazes de realizar qualquer coisa que elas planejem, incluindo empregos masculinos tradicionais”, diz Tim, observando que regras de vida sóbria são aplicadas. “Se eles forem autossuficientes, eles não voltarão ao estilo de vida de onde vieram”.

Publicidade

Mentoras individuais

Mulheres cristãs da comunidade servem como mentoras individuais para falar sobre a vida dos residentes durante sua estadia de um ano. Uma das mentoras é Lucinda Harms, que sabia que queria ajudar depois que leu sobre o Lar de Mulheres LifeHouse no ano passado em um artigo de um jornal local.

Lucinda, discípula um dos residentes semanalmente. Ela é farmacêutica e consultora de bem-estar nutricional. Suas reuniões incluíram a leitura juntos do teólogo Henri Nouwen, Life of the Beloved, passeios, almoços, cafés e jogos.

“Basicamente, meu papel é ser outro adulto em sua vida, ser uma caixa de ressonância, encorajadora e defensora”, diz Harms que orienta uma mulher que tem idade entre suas duas filhas.

Harms tentou impressionar seu pupilo sobre a importância de valorizar a segurança na LifeHouse. Ela também se esforçou para que pudesse construir a confiança de seu encarregado, que erroneamente previu que ela seria despejada por não corresponder às expectativas.

“Essas mulheres têm a oportunidade de se sentirem parte de uma família, às vezes pela primeira vez”, diz Harms. “Eles finalmente sentem que têm um lugar ao qual pertencer. E não há muitas expectativas, exceto se concentrar em sua recuperação”.

 

 


Leia também:

Destaques do Mês